As 3 Principais Características de Pessoas Aptas a Lidarem com a Transformação Digital

Sem categoria

No ano passado, a consultoria global Protiviti lançou o relatório “Perspectivas de Executivos para os Principais Riscos em 2018”. O resultado mostrado pela pesquisa é que o ritmo super acelerado do desenvolvimento tecnológico e as inovações disruptivas, aliado à resistência organizacional à mudança, seriam as MAIORES PREOCUPAÇÕES de 2018 – ao menos para um grupo de 728 empresários, formado por líderes de diferentes regiões do globo.

2019 chegou e o tema “transformação digital” ainda será o grande desafio dos próximos dois/três anos. Eu me junto à preocupação destes líderes no sentido de que tenho a real noção do quanto a transformação digital é algo importante e desafiador. Não somente no aspecto organizacional, mas no ASPECTO HUMANO também.

Afinal, a transformação digital faz com que a tecnologia esteja COMPLEMENTANDO OU SUBSTITUINDO tarefas. Então, nós, profissionais, precisamos otimizar e maximizar JUSTAMENTE as características que nos fazem verdadeiramente humanos. Porque, por exemplo, se atualmente a tecnologia, com suas linhas de código e algoritmos, proporciona o que antes as empresas buscavam em Q.I. (coeficiente de inteligência), agora, o que podemos agregar como seres humanos é a INTELIGÊNCIA EMOCIONAL  – como, por exemplo, a empatia e o espírito de autocrítica.

Daniel Goleman, autor do livro-referência “Inteligência Emocional”, define de forma ímpar a inteligência emocional como a “capacidade de identificar os nossos próprios sentimentos e os dos outros, de nos motivarmos e de gerir bem as emoções dentro de nós e nos nossos relacionamentos.”

Na minha jornada profissional, tive a oportunidade de viver a tecnologia e a transformação digital de forma intensa nos últimos cinco anos e, consequentemente, trabalhar muito com a importância da inteligência emocional. Você pode ler mais sobre a minha experiência como Head LatAm do Tinder aqui; e os aprendizados da minha transição para Chief Digital Officer na L’Oréal aqui.

Por meio dessas experiências, identifiquei alguns comportamentos que são sinais de pessoas aptas a lidarem melhor com a transformação digital.

Você gostaria de saber quais são alguns desses comportamentos para desenvolvê-los em seu time ou ainda em você mesmo? Vamos lá, essa pessoa:

  • Admite erros e não tem medo de demonstrar suas próprias fraquezas em público;
  • Faz follow-up agradecendo pela oportunidade de participar em projetos e/ou ao ser entrevistado(a) e/ou contratado(a);
  • Pede feedbacks espontaneamente, ou seja: sem que isso seja regra ou necessário;
  • Oferece ajuda a um colega sem que essa ajuda tenha sido pedida – e não fala sobre isso para ninguém, para não se gabar;
  • Quando há algum problema, não reclama, mas chega com ideias e soluções;
  • Tem real interesse em saber mais pelo trabalho de outras áreas, marcando cafés, almoços, encontros de happy hour etc;
  • Se não souber de algo, vai atrás deste conhecimento e busca estudá-lo;
  • Depois de um fracasso, tenta de novo.

Todos esses comportamentos provém de TRÊS fundamentais traços comportamentais  que são essenciais na era da transformação digital. Eles sãos:

  1. PROATIVIDADE EM AJUDAR: que nasce do RECONHECIMENTO DAS EMOÇÕES DOS OUTROS;
  2. CAPACIDADE DE AUTOCRÍTICA: que nasce do RECONHECIMENTO DAS PRÓPRIAS EMOÇÕES;
  3. PODER DE ADAPTAÇÃO: que nasce da capacidade de CONTROLAR AS PRÓPRIAS EMOÇÕES.

E como desenvolvê-las?

Primeiramente, precisamos mergulhar no AUTOCONHECIMENTO. E para isso, é necessário criar uma pré-condição para a possibilidade do diagnóstico, um espaço para mergulhar em nós mesmos. Gosto de chamar essa pré-disposição de “conjuntura dos 3 S’s”:

  • “Serenidade” ou mente vazia;
  • “Solidão” ou companhia de você mesmo;
  • “Silêncio” ou momentos para você ouvir melhor o que vem dentro de você.

Normalmente, consigo isso em momentos específicos, e particularmente quando estou em contato com a natureza. Um exemplo foi quando tive uma palestra em Brasília e fui viajar sozinho para passar alguns dias na Chapada dos Veadeiros. Mergulhei fundo em mim mesmo. Foi tão inspirador, que até hoje carrego os pensamentos e insights que tive durante as trilhas e momentos de contemplação.

Você pode criar estas oportunidades de autoconexão com diversas iniciativas, como retiro, contato com a natureza; ou ainda, com coisas menos óbvias, como hobbies e paixões que cada um pode ter. No meu caso, um exemplo delas são as artes marciais, a escritura e a fotografia.

Aí, ao fazer o autodiagnóstico e, consequentemente, identificar as lacunas que você tem a respeito desses comportamentos, o que eu sugiro é que você “se force” a praticar alguns deles. Como, por exemplo, mesmo que você não sinta vontade de ajudar algum colega, o faça mesmo assim, porque você irá se surpreender pela RECIPROCIDADE de como isso volta. Pode ser que não seja na mesma hora, mas volta. Às vezes, quando menos se espera. A mesma coisa com proatividade: primeiro, tome ação e faça, se forçe, e depois veja os resultados. Com o impacto positivo, você começa a querer fazer ainda mais, gerando um círculo virtuoso.

Paralelamente, a empresa tem que criar os mesmos pressupostos no contexto corporativo; é imprescindível “deixar tempo” para as pessoas buscarem esse autoconhecimento. Nós estamos vivendo em um cenário de tanta poluição de informação (reuniões, e-mails, conversas que não agregam valor), que as empresas precisam estruturar de, forma top down, esses momentos. Isso em contexto organizacional, de visão, de time e de funcionário! Cada colaborador precisa achar este espaço para melhor contribuir para a organização.

E isso não é um assunto apenas de ‘departamentos’, nem de ‘processos’. É um assunto de pessoas e, principalmente, de LIDERANÇA. A alta liderança precisa ser exemplo e cascatear isso. Ela tem que ser a primeira na fila de hora de abraçar as práticas que visam o bem-estar, como meditação, trabalho remoto, home office, enfim… Uma infinidade de ações para diminuirmos a poluição de informação desnecessária e conseguirmos enxergar as pessoas com potencial de desenvolvimento neste contexto de transformação digital.

E tudo isso com um OLHAR DE APRENDIZ diante de todo esse contexto, será muito mais fácil navegar nas águas muitas vezes agitadas da transformação digital!

Comentários

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit. Pellentesque fringilla accumsan augue, a vulputate lacus eleifend ut. Interdum et malesuada fames ac ante ipsum primis in faucibus